tipos de placa solar

O sistema fotovoltaico é uma excelente opção para obter energia limpa e contar com considerável economia na conta de luz. Algo que tem feito cada vez mais pessoas se interessar pelas soluções proporcionadas pelas placas solares.

Afinal, elas estão entre os componentes mais importantes dentro do sistema. Mas você saberia nos dizer como elas funcionam e qual é o papel delas na geração de energia renovável?

Abaixo, você vai conferir nosso guia completíssimo sobre o assunto para que não restem mais dúvidas sobre o sistema de captação de energia solar. Boa leitura!

Veja também: o que é autoconsumo remoto.

O que são as placas solares?

As placas solares fazem parte do sistema fotovoltaico, um modelo gerador de energia por meio da captação de luz solar.

Nesse sistema, as placas solares são as partes que ficam posicionadas na parte de cima dos telhados ou sobre o chão para receber toda a radiação solar.

Quando se olha um sistema fotovoltaico de longe, a primeira coisa que se vê é justamente um conjunto de placas posicionadas uma ao lado da outra, com direcionamento de acordo com a necessidade de cada local e cada projeto.

Cada placa possui outros elementos, como as células, que são responsáveis pela viabilidade da geração de energia.

Além disso, as placas são essenciais para que o sistema voltaico consiga realizar o efeito voltaico, que é o processo de reação que acontece e transforma a luz do sol em energia.

Vamos falar sobre isso detalhadamente mais adiante, inclusive.

Ademais, as placas solares podem ser feitas de vários materiais, ter tamanhos diferentes e tipos mais adequados para cada situação.

Por isso, vamos esmiuçar o assunto começando por explicar como funcionam as placas solares e, em seguida, listar os principais tipos de equipamentos para gerar energia de acordo com as suas necessidades e objetivos.

Saiba mais: diferenças entre painéis solares e fotovoltaicos

Entenda o funcionamento das placas solares

As placas funcionam por meio do efeito voltaico, que é criado pelos fótons existentes na luz e que reagem com o material existente nas placas solares.

Essa reação acontece quando os fótons agitam os elétrons presentes nas células das placas, criando um fluxo de transporte até as partes das placas em que não existem elétrons e a corrente elétrica é criada.

Pode não parecer algo muito simples, porém todo o sistema de energia fotovoltaica é desenvolvido de acordo com as peculiaridades de cada ambiente. Com isso, tudo é feito para que o sistema funcione corretamente e entregue a energia solar ao ambiente.

Dá até para explorar melhor esse funcionamento:

Esse é um trabalho contínuo que garante a geração de energia elétrica por meio do sistema fotovoltaico.

Vale observar, contudo, que existem diferentes tipos de placas solares. E cada um deles tem características únicas que ajudam a alinhar melhor os seus objetivos com as especificidades de cada material, como veremos no tópico a seguir.

modelos de placa solarTipos de placas

Primeiramente, as placas podem ser encontradas em diferentes materiais, como:

O principal impacto que cada tipo de material de fabricação causa na geração de energia é a eficiência que eles agregam às placas solares.

E antes de destacarmos o material mais usado, atualmente, vale a pena conhecer cada um deles. Afinal, você pode identificar características que são mais vantajosas para o seu projeto, especificamente, concorda?

Confira, abaixo, quais são os principais tipos de placas solares no mercado!

Veja também: 3 alternativas para trabalhar com energia solar

Placas de silício monocristalino

As placas solares feitas desse tipo de material oferecem grande eficiência na produção de energia, pois são mais puras. Com isso, o projeto que utiliza esse tipo de placa acaba necessitando de uma quantidade menor de placas.

Além disso, esse tipo de placa tem a vantagem de obter melhores resultados em dias em que não há tanta incidência de luz solar, justamente por ser mais eficiente.

Ademais, quanto à durabilidade a placa de silício monocristalino tem uma expectativa de duração de aproximadamente 30 anos, o que é bastante tempo de vida útil e mais do que suficiente para obter o retorno do seu investimento e gerar créditos solares por anos à frente.

Veja, então, algumas das principais vantagens e pontos de atenção que as placas de silício monocristalino carregam em suas respectivas composições!

Vantagens

Uma das grandes vantagens desse tipo de placa solar reside na sua alta eficiência em comparação com as outras tecnologias comerciais — algo entre 15 e 22%. Inclusive, quando falamos em áreas com baixa incidência solar.

Além disso, entre todos os tipos de placa solar, essa ocupa menos espaço, sendo uma boa pedida para soluções residenciais e projetos em geral nos quais a metragem disponível para a implementação do sistema fotovoltaico seja um problema.

Também dá para destacar a vida útil das placas de silício monocristalino, que podem chegar a até 30 anos.

Desvantagens

Por outro lado, a tecnologia desse tipo de placa solar ainda é pouco acessível, financeiramente falando.

Contudo, assim como todo projeto de energia solar, vale a pena avaliar não apenas o preço do sistema fotovoltaico, mas o custo benefício em torno da solução.

Afinal de contas, se ele trouxer um resultado potencialmente maior, e que vai resultar em mais créditos e economia gradualmente, o investimento é recuperado e o usuário vai se beneficiar em pouco tempo desses resultados obtidos.

Placas de silício policristalino

Entre os principais tipos de placa solar, também podemos destacar os produtos em silício policristalino. Mas, diferentemente do modelo acima citado, aqui não existe a mesma pureza do material usado. E, com isso, perde-se um pouco da eficiência anterior — quando falamos de uma forma comparativa, principalmente.

Isso porque, no geral, a eficiência ainda é elogiável nas placas de silício policristalino.

Esse tipo de placa é também muito eficiente e pode ser utilizado sem problema, a única diferença é uma pequena redução de eficiência em comparação com o modelo citado acima. No entanto, não chega a ser uma diferença tão significativa.

Ademais, a vantagem do silício policristalino nas placas fotovoltaicas é que o preço é reduzido em comparação ao monocristalino. Além disso, a durabilidade é a mesma, sendo em torno de 30 anos.

Além disso, por não terem a máxima eficiência possível, esse tipo de placa necessita de maior espaço de instalação para que tenha mais quantidade de superfície de contato com a luz solar.

Vantagens

Confira alguns dos principais pontos positivos desse tipo de placa solar:

Desvantagens

Por outro lado, é importante avaliar a eficiência dos painéis solares policristalinos — em torno de 14 a 20%.

Esse modelo também necessita de uma área maior de instalação, criando uma desproporção maior entre Watts/hora por m².

Placas de filme fino

Confeccionadas a partir de camadas de filme fotovoltaico posicionadas sobre um substrato, as placas de filme fino é também composta por outros materiais que vão influenciar, diretamente, na eficiência da solução.

Até por isso, vale a pena observar quais são esses materiais, uma vez que as placas de filme fino podem até mesmo alcançar a mesma eficiência de um material mais valioso no mercado: a placa de silício policristalino.

tipos de placas solaresVantagens

Com as informações acima, podemos dizer que, entre os tipos de placa solar, essa se destaca por ter uma produção em massa simplificada e com boa capacidade energética.

Com isso, o custo é menor, se compararmos com as tecnologias mais caras, e também abre outras possibilidades de investimento para adaptar esse modelo de placa solar com diversos tipos de projetos.

Desvantagens

A grande questão em torno das placas de filme fino gira em torno do espaço exigido para a instalação de um sistema fotovoltaico nessas condições. O que inviabiliza, muitas vezes, a sua utilização em projetos residenciais, por exemplo.

Além disso, ele conta com menos eficiência por m² justamente por conta disso. E ainda mais porque o material tende a defasar com mais facilidade do que os materiais citados anteriormente.

Variações de placas solares de filme fino

Com base no que falamos anteriormente, as placas solares de filme fino ganham subclassificações. E, por conta disso, vamos falar sobre algumas delas para que você entenda melhor a distinção entre elas. Confira, abaixo!

De silício amorfo (a-Si)

Mais comum em projetos de baixa escala em decorrência da sua baixa capacidade de produção de energia elétrica.

Um exemplo clássico de sua utilização pode ser percebido em diversos modelos de calculadora de bolso. Mas existem novas aplicações para esse tipo de placa solar — como em uma ideia de empilhamento das placas.

Contudo, ainda é algo que demanda mais cautela antes de optar por esses tipo de solução, já que outras tecnologias estão mais consolidadas no mercado de geração de energia por meio do sistema fotovoltaico.

De telureto de cádmio (CdTe)

Aí está uma — entre os diferentes tipos de placa solar — solução dentro da tecnologia de filme fino que vem se destacando por conta do custo/eficiência.

No geral, placas de telureto de cádmio (CdTe) tem agregado uma eficiência aos painéis em torno de 9 e 16%. É um modelo, portanto, que pode oferecer variedade na escolha dos consumidores e agregar mais versatilidade e capacidade de personalização em todo tipo de projeto de instalação do sistema fotovoltaico.

De seleneto de cobre, índio e gálio (CIS / CGIS)

Quando falamos em eficiência energética, contudo, todas as placas de filme fino perdem para as células solares CIGS. Elas já provaram e demonstraram ser as mais preparadas em termos eficiência e já contam com pouco mais de dez anos de comercialização — começou na Alemanha em 2011.

Existem, inclusive, modelos já disponíveis no Brasil que avançam na média de 10 a 12% característica dessa tecnologia (alcançando 13%, por exemplo).

Isso tudo, só tende a crescer. Sinal de que existem bons tipos de placa solar no mercado e que diversas tecnologias se popularizando simultaneamente podem trazer múltiplos benefícios para o mercado em todas as frentes.

Veja também: tudo sobre a certificação ISO 50001

Placas de células fotovoltaicas orgânicas (OPV)

Falando de outra tecnologia, agora, as placas de células fotovoltaicas orgânicas (OPV) se amparam na eletrônica orgânica — uma forma de aplicar polímeros orgânicos condutores, para realizar o trabalho de absorção de luz e o respectivo transporte para gerar a energia elétrica, posteriormente.

Embora tenha sido pensada para crescer como uma alternativa eficiente e de baixo custo de implementação e manutenção, poucas empresas trabalham com a solução. Algo que se deve à pouca penetração da tecnologia no mercado, exclusivamente.

Mas, no geral, ainda é um tipo de placa solar que pode adquirir mais espaço. Ainda mais, porque a sua eficiência energética tende a variar, abrindo espaço para novas possibilidades e desenvolvimento de tecnologias capazes de sustentar esse modelo mais acessível de geração de energia por meio de painéis fotovoltaicos.

Vantagens

Quando destacamos as vantagens desse produto, é inegável que o baixo custo de implementação e de manutenção se destacam.

A própria eficiência energética é um fator de observação, já que ela ainda está se consolidando como um dos principais tipos de placa solar em um mercado em franca expansão e diversificação.

Desvantagens

Como mencionamos, a baixa penetração no mercado tem feito com que a aceleração desse tipo de solução seja maior. E, no momento, esse tende a ser um desafio para a abrangência de uso e diversificação desse tipo de placa solar.

Qual a placa correta para cada caso?

Para você saber qual tipo de placa utilizar vai depender muito de cada projeto e de cada exigência. Entre as questões que precisam ser levadas em consideração está o fator do nível de necessidade de eficiência, orçamento disponível e qualidade do acabamento.

Além disso, como vimos nos tópicos anteriores, cada tipo de placa solar carrega as suas particularidades. E, com isso, encontramos tanto pontos positivos quanto alguns aspectos que merecem uma atenção especial antes de tomar a sua decisão.

tipos de painéis solaresLembre-se, então, de colocar no papel todas as informações necessárias para a implementação do seu sistema fotovoltaico, em particular, o que inclui:

Com esses dados em mãos, você consegue definir com mais clareza quais tipos de placa solar têm mais a ver com o seu projeto. E, assim, decidir-se pela solução que melhor vai atender a essas necessidades em curto, médio e longo prazo.

Considerações finais

Como você pode identificar, as placas solares fazem parte de um sistema complexo de energia fotovoltaica. São vários detalhes que necessitam de atenção e a devida orientação para que as melhores escolhas sejam tomadas.

Além disso, apesar de existirem vários tipos de placas, nenhuma fica exposta diretamente ao sol, pois possuem um invólucro de proteção que vai garantir o funcionamento das células presentes em cada uma das placas.

Com todas as informações que você encontrou até aqui é possível ter uma noção mais exata sobre as placas solares e entender como funcionam, o que é tão crucial nesse tipo de sistema de luz solar.

E agora que você já viu o guia completo sobre placas solares, quer saber detalhes sobre preços e custos em geral? Acesse nosso site e encontre artigos que tratam do assunto para você ter maior clareza e domínio sobre o assunto e conhecer todos os lados desse negócio! Não perca tempo e descubra hoje mesmo!

Av. Prof. Mário Werneck, n°26 – 5º e 6º andar, Estoril – Belo Horizonte/MG
(31) 98306-0447
envelope linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram